quinta-feira, janeiro 05, 2017

O QUE HERDAMOS DO VERÃO POR MARTHA PESSOA CORTES

*Foto: Clave do Sol invertida para representar 
a não musicalidade do Funk.


O QUE HERDAMOS DO VERÃO



      Todo verão no Brasil sabemos que um hit qualquer irá embalá-lo. Houve uma época que era a vez do Axé, já teve do Sertanejo Universitário e há algum tempo o Funk vem dominando as paradas.
      O Funk do ponto de vista artístico deveria ser banido da classificação como música, uma porque ele funciona quase exclusivamente com uma única batida, outra porque a dança seu maior chamariz de adeptos, limita-se a mulheres seminuas rebolando sempre da mesma forma, e ainda porque a letra em geral é de uma pornografia promíscua, infantil e machista.
       No Funk a mulher é retratada como objeto de prazer masculino a revelia dos desejos e anseios delas. Como se o objetivo final do ser feminino fosse o de dar prazer ao homem e como se todo homem, apenas por carregar um pênis, fosse capaz de realizar todas as mulheres do mundo.
        O hit do momento é um exemplo disso, embora inicialmente a música chamava-se: "Dando onda", e não havia apelo sexual na letra, antes um romance água com açúcar, onde o "compositor" ressalta a alegria de estar com sua amada. Para estar no Top 10 do verão precisa de dos apelos sexuais, todos, com isso a letra da música sofre duas alterações básicas que definem todo o machismo enraizado nessa sociedade. Na parte onde se cantava que "saudade se você" ocorreu a substituição por "que vontade de fuder", a segunda alteração é: "meu pau te ama". Ou seja, o clássico órgão dos sentimentos, coração, fora substituído pelo pênis.
              Não se pode esperar muito dessa sociedade que de modo geral crítica roupas das mulheres e a classificam por "não casáveis" (e aí entram várias palavras de baixo calão, que talvez não caibam nesse texto), no entanto faz com que uma música como essa vire um fenômeno estatual, talvez nacional.


*Martha Pessoa Cortes.
- Professora em Armação dos Búzios-RJ.
- Estudante de Geografia pelo CEDERJ/UERJ.

Nenhum comentário: