sábado, agosto 07, 2010

ENTREVISTA COM ROLDÃO AIRES



*Nome: Roldão Aires Joaquim.
*Natural de São Paulo-SP.
*Nascido em 06 de fevereiro de 1948.
*Cidade que representa: São Paulo-SP.
*Atividades: Poeta, artista plástico, desenhista, Membro dos Poetas del Mundo (entidade com sede no Chile), Membro da Associação Paulista de Belas Artes e Membro Correspondente da Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo-RJ.
*Email: roldaoaires@gmail.com

   
*Tela "Astros" de Roldão Aires.


- Vejamos a entrevista feita por Rodrigo Poeta ao artista plástico Roldão Aires:



1-Como nasceu em você o espírito artístico dentro das artes plásticas?

Roldão: Quando se é artista, em qualquer área da arte, Deus já coloca dentro de nós esse dom que é inato. Desde pequeno desenho e escrevo também desde os bancos escolares.

2-Qual é o seu estilo?

Roldão: O meu estilo, em arte, é o impressionismo e o expressionismo. Na poesia é o romantismo.

3-Quais são suas influências?

Roldão: As influências durante a nossa formação são várias. Na poesia gosto muito de Castro Alves, Olavo Bilac, Álvares de Azevedo, dentre outros.

4-Pode-se dizer que uma tela também é uma POESIA?

Roldão: Sem sombra de dúvida, uma tela é uma poesia feita com pincéis, mas no meu caso com os dedos mesmo. Para se fazer um quadro, é necessário e primordial termos a inspiração, depois vem as cores, a centralização daquilo que vamos fazer e principalmente, nos colocarmos no lugar de quem a vai ver. A poesia é igual e requer os mesmos quesitos.

5-Já realizou algum projeto ou fez uma exposição do seu trabalho?

Roldão: Já realizei vários projetos com arte, todos voltados às riquezas naturais do Brasil. Exposições feitas desde 1997, totalizando uma média de 13 exposições por ano, até 2002. Posteriormente voltei à minha profissão de origem que é a Publicidade.

6-Como nasceu a ideia de mesclar poesia, vídeo e locução?

Roldão: Isto acredito eu que seja uma conseqüência normal, pois tirando a locução, o resto está ligado a arte e a publicidade. Quanto à locução, sou aficionado por rádio, já tendo trabalhado em algumas emissoras do interior.
Por ser piloto aviador, pude conhecer várias e sempre que podia, fazia um teste de rádio no qual era aprovado. Foi quando os amigos me incentivaram bastante e então eu segui em frente, com a queda radialística!

7-Quais são os poemas que mais admira?

Roldão: “Navio Negreiro”, para mim é um épico na forma de poesia; “Laço de Fita”, “Em que Pensas” e “Longe de Ti”, Castro Alves; “Amor é Fogo que Arde”, Camões; “Se Se Morre de Amor”, Gonçalves Dias; além de Mário Quintana, “Os Relógios”, “Das Utopias” e “Poeminha do Contra”; Olavo Bilac, “In Extremus”, “De Outras Sei”, “Dormes”, “Ontem” e “Um beijo”; Vinícius de Moraes, “Soneto a quatro mãos” e “Receita de Mulher”;   Raimundo Correa, “As pombas” e Álvares de Azevedo “Anjos do Mar”.


8-Como você vê a situação cultural no Brasil?

Roldão: Infelizmente não a vejo com bons olhos, para a cultura sempre faltou incentivo, mas agora é notório o descaso feito com o teatro, o cinema, sem falar das artes plásticas, onde o artista por conta própria, como no teatro busca os recursos de um bom empresário. Na literatura, o autor tem de pagar antecipado determinada quantidade de livros estipulado pela editora, senão o seu livro não vai para as livrarias. “Temos no escalão do alto, gente que não gosta de ler, talvez não seja bom para ele, um povo culto”. E um país cujos livros e autores são relegados ao ostracismo, caminha para ele também.

9-Qual tela de sua autoria você tem mais afeição? 

Roldão: Evidente que os quadros, para nós que os fazemos são pedaços de nós que saem. Não tenho preferidos, mas me orgulho daqueles que atravessaram a fronteira, como “O Arco da Porta Nova”, (Portugal), “Festa das Flores” (Ilha da Madeira - Portugal) e “Lençóis na Bahia” (México).


10-Deixe uma mensagem para posterioridade.

Roldão: “Os poetas e pintores, são sem exceção parceiros de Deus.” 
(Roldão Aires)

Um comentário:

Valvesta disse...

Parabéns, se és
ou se cultivas a idéia de ser papai amado na pureza de um filho.
Um grande abraço
com carinho da amiga.

*

“É o amor que pousou na terra
A face mais bela da poesia
A calmaria pós tempestade
A saudade que não se descreve…

No silêncio és minha prece
E até parece que posso tocá-lo…
Só após teus carinhos me calo
E então me ponho a dormir…

Sou uma criança que ainda te chama
Quer teus conselhos, os brinquedos…
E o beijo de boa noite na cama
Dizer-te do meu amor, do meu orgulho
Por ter tido o melhor PAI desse mundo
E conhecido o valor de quem AMA”
Autor: Rose Felliciano