sábado, agosto 11, 2018

NAZARETH DA CRUZ GOMES: A PRIMEIRA POETISA DA REGIÃO DOS LAGOS

NAZARETH DA CRUZ GOMES
(1877-1950)

      O Simbolismo surgiu na França no final do século XIX em oposição ao realismo e ao naturalismo. Resgatou a subjetividade romântica através da sensação e da musicalidade. O francês Charles Baudelaire com o livro Flores do Mal, deu origem ao Simbolismo. 
No Brasil o movimento simbolista se tornou notório com os poetas Cruz e Sousa (1861-1898) de Florianópolis/SC e com Alphonsus de Guimaraens (1870-1921) de Ouro Preto/MG. Outros poetas também seguiram as tendências do movimento. 
         Nazareth da Cruz Gomes renasce na Literatura a figurar ao lado de outras poetisas simbolistas do século XIX como: Auta de Souza (1876-1901) de Macaíba/RN, Narcisa Amália (1852-1924) de São João da Barra/RJ, Francisca Júlia (1871-1920) de Eldorado Paulista/SP e Gilka Machado (1893-1980) do Rio de Janeiro/RJ.
       Em 2013 aproximadamente cinco anos atrás minha tia avó Nazareth Carvalho me enviou o poema O Coração da minha trisavó Nazareth da Cruz Gomes compilado pelas mãos de minha bisavó Noêmia, um poema escrito no século XIX. No ano de 2015, chega a mim uma cópia do original do seu poema O Coração escrito no século XIX, graças às pesquisas genealógicas feitas pelo meu primo Carlos Delano Carvalho. No ano de 2016 recitei o poema e comecei a fazer análises poéticas nele e descobri os traços simbolistas em seus versos. Já em 2017 apresentei o nome de Nazareth da Cruz Gomes como a única poetisa da Região dos Lagos em eventos das cidades de Cabo Frio/RJ, Iguaba Grande/RJ e Itaperuna/RJ. No mesmo ano chega a mim uma cópia do livro de Virgílio Aurélio Gomes, pai de Nazareth da Cruz Gomes. No livro além de textos em prosa e verso de Virgílio, encontrei outro poema de Nazareth. 
         Nazareth da Cruz Gomes foi homenageada no XII CONCURSO POESIARTE de POESIA de 2018 em âmbito internacional com o tema: O Coração, concurso de autoria de Rodrigo Poeta. Um marco a redescoberta tanto da poetisa Nazareth da Cruz Gomes como do seu pai o escritor Virgílio Aurélio Gomes. Nazareth da Cruz Gomes até o momento dentro das pesquisas feitas é a única poetisa da Região dos Lagos no século XIX do Estado do Rio de Janeiro a escrever poesia no estilo simbolista.
       Nazareth da Cruz Gomes nasceu em 30 de maio de 1877 na cidade de Saquarema/RJ filha do cronista e poeta Virgílio Aurélio Gomes e de Maria Carolina da Cruz Gomes, ambos de Barra de São João/RJ. Foi poetisa de estilo simbolista, pianista e professora. Teve cinco irmãos sendo eles: Aurora, Augusta, Adelaide, Manuel e Linho, ambos de Barra de São João/RJ. Foi batizada em 15 de agosto de 1878 na cidade de Araruama/RJ na Paróquia de São Sebastião, tendo como padrinhos Manuel Marinho Leão e Augusta (Manazinha).


*Na foto: Nazareth e Secundino.



         Casou em 5 de outubro de 1895 com   o lavrador Secundino Teixeira Pinto de São Paulo/SP, que residia em Laje do Muriaé/RJ, filho de Sebastião Pinto Monteiro e Maria Candida. Nazareth passa a usar o sobrenome Pinto. Seu esposo veio a falecer em 1941 em Laje do Muriaé/RJ. Nazareth da Cruz Gomes veio a falecer em 19 de novembro de 1950 na cidade do Rio de Janeiro/RJ e seu sepultamento foi realizado no Cemitério de Inhaúma. Ela teve 14 filhos. São três homens: Décio, Manoel e Sebastião. Onze mulheres: Adelaide, Clélia, Dulce, Diná, Guiomar, Irene, Izabel, Maria (Mariquinha), Maria José, Noêmia e Zélia.


*Nazareth da Cruz Pinto e Secundino Teixeira Pinto, 
família e alunos.

*Foto de Nazareth da Cruz Gomes já no século XX.



Segue abaixo os poemas de Nazareth da Cruz Gomes:



*Imagem do original referente ao poema O Coração escrito em 1894 por Nazareth da Cruz Gomes.



O CORAÇÃO


Põe minha amiga, põe teu peito
tua serena mão.
Ouves?Há dentro dele um carpinteiro
que trabalha de noite e o dia inteiro
pregando o meu caixão.


Vamos! Trabalha mestre! Sim trabalha
a obra sem cessar!
Não deixes a tarefa em abandono!
Vamos! Trabalha mestre eu tenho sono
e quero descansar!


Nazareth da Cruz Gomes
18 de janeiro de 1894

            No poema O Coração, possui duas estrofes de cinco versos (duas quintilhas), o eu lírico utiliza sinestesias na primeira estrofe como nos versos: “Põe minha amiga, põe teu peito/tua serena mão.” (sinestesia de sentido tátil) e “Ouves? Há dentro dele um carpinteiro...” (sinestesia de sentido auditivo). O eu lírico utiliza a subjetividade através de divagações entre uma conversa com a morte, onde o carpinteiro é o coração que trabalha o dia inteiro sem descansar, mesmo sabendo que um dia vai parar. No poema há uma linguagem vaga e fluída, que preza pela sugestão como no trecho do terceiro verso da primeira quintilha no vocábulo “Ouves?”. 
              O Coração além de título do poema é uma metáfora que subjetivamente compara o órgão da vida com o trabalho de um carpinteiro. O descanso é símbolo transcendental representado pela palavra “sono”, que determina a dor de existir.
             O ritmo do poema é traçado entre assonâncias, aliterações e rimas que afloram no segundo verso de cada quintilha. Assonância relacionada à vogal “a” nos vocábulos da segunda quintilha no primeiro e segundo versos: “trabalha a obra sem cessar!” Aliteração no primeiro verso da primeira quintilha das consoantes “p” e “t”: “Põe minha amiga, põe teu peito...”
           A rima é feita na seguinte forma: o segundo verso rima com o quinto e o terceiro verso com o quarto. Como segue:



1ª estrofe da quintilha:

Põe minha amiga, põe teu peito

tua serena mão. (segundo verso)
Ouves?Há dentro dele um carpinteiro (terceiro verso)
que trabalha de noite e o dia inteiro (quarto verso)
pregando o meu caixão. (quinto verso)


2ª estrofe da quintilha:

Vamos! Trabalha mestre! Sim trabalha

a obra sem cessar! (segundo verso)
Não deixes a tarefa em abandono! (terceiro verso)
Vamos! Trabalha mestre eu tenho sono (quarto verso)
e quero descansar! (quinto verso)



A MORTE DE MARIA DE CALOGERAS

I

Morta já! Meu Deus! Tão bela!
Nessa quadra dos amores,
Murcha como a capela
De suas pálidas flores!
As galas da mocidade
Eram ontem seu entorno!
E agora da morte o sorriso
Lá dorme na eternidade!


De joelhos, pais! Oremos
Por ela com fé cristã!
Naquela tumba choremos
Os restos de nossa irmã.
Irmã pela desventura
Da morte ao rigor augusta,
Mas como os anjos perfeita
Na celestial candura!


Alma virgem que subiste
Ao seio da eterna gloria,
Na terra já não existe
Senão de ti a memória!
Saudosa recordação,
Doloroso pensamento,
Que n’alma gera tormento
E o pranto no coração!


II

Do mundo n’água deveria
Desfolhou-se branco lírio!
Teve coroa da beleza
Teve a palavra do martírio!
Era tal a simpatia
Que em todos exerceu
Que parece lá dos céus
Inda pedir harmonia!


O raro da inteligência
No verde da juventude
Brilhava com a inocência
Naquele anjo de virtude!
Enquanto saudosos pais
Gemem pela casta filha
Mais um espírito brilha
Nas falanges imortais!


Dorme em paz! Virgem, repousa
Entre as sombras do mistério!
Cubram-te rosas a
Nos ermos do cemitério,
E se os mortos, por ventura,
Guardão do mundo a lembrança
Sorri-nos, anjo de esperança,
Do fundo da sepultura!


Nazareth da Cruz Gomes

          O poema A morte de Maria de Calogeras é uma homenagem a jovem da família de João Pandiá Calogeras (1870-1934) geólogo, político, engenheiro e escritor carioca. A morte é a temática do poema numa linguagem subjetiva e existencialista a conflitar entre a matéria e o espírito. O poema é formado por duas partes contendo cada uma três estrofes de oito versos de forma ritmada. 
        Na primeira parte a dor da morte a segunda parte o espírito vivo na eternidade. Numa atmosfera mística e litúrgica mostra-se o eu lírico na contemplação da dor, da morte, da eternidade na exaltação da mocidade feita em homenagem: “Na terra já não existe/ Senão de ti a memória!”


*Ensaio feito pelo acadêmico Rodrigo Octavio Pereira de Andrade (Rodrigo Poeta)

Nenhum comentário: