sexta-feira, janeiro 27, 2012

JOAQUIM MONCKS: O MESTRE DOS PAMPAS DO SUL!

*Tela de Romero Brito.



PECULIARIDADES DO ACRÓSTICO

Joaquim Moncks

30/07/2011 15h34min - Joaquim Moncks
Para o texto: Meus braços te abraçarão! (T3128185) http://www.recantodasletras.com.br/acrosticos/3128185
De: romilda gomes

Atendo ao pedido de análise. Acróstico é uma espécie do gênero Poesia que se enquadra nas chamadas FORMAS FIXAS. Por ser uma forma fixa, cada verso tem que ter contagem de sílabas fônicas (ou poéticas) igualitárias. Ou seja, com andamento rítmico (e rimações) de mesma contagem silábica. No entanto, tal como no chamado soneto (modernoso), a maioria dos autores escreve – acho que por ser mais fácil ou por desconhecerem as regras de confecção – sem a contagem de sílabas. Por posicionamento teórico, não reconheço o denominado “soneto moderno”, e o recebo como um POEMA, que é a materialidade contemporânea da Poesia. O soneto tem regras peculiares consolidadas há mais de 700 anos. No caso da obra ora examinada, as restrições são similares. O que entregas ao leitor é o ACRÓSTICO MODERNO. É nesta linha permissiva que (imagino!) pretendeste escrever a tua fala em pretensa linguagem poética. Entretanto, o que ora ofereces não chega a apresentar características de poema com Poesia. Sim, porque há versos COM e SEM POESIA! O discurso linear, derramado, que está na tua construção textual é um “bilhete amoroso”, e que, à ausência de qualificação classificatória nos moldes literários, denomino RECADO DE AMOR. E este é uma declaração amorosa, intimista, fruto do confessionário para o amado. Veja-se, destacadamente, a linguagem em primeira pessoa e os inúmeros possessivos. Esse exemplar deve ser escrito em frases, como todo e qualquer exemplar característico da PROSA, a ser apresentado linha a linha, margem a margem, parágrafo a parágrafo. Entendo que optaste pelo ACRÓSTICO pra fazer algo diferente, todavia, essa modalidade é um dos mais difíceis desafios, em Poética. E o mais importante: aqui se visualiza somente o sentido DENOTATIVO e não o CONOTATIVO – que é linguagem exclusiva da expressão poética – tanto em Poesia como na Prosa Poética, e que se torna fácil de identificar pela utilização de FIGURAS DE LINGUAGEM. Sem elas, tecnicamente, não há como se dizer presente a poética. Vale, por certo, como experimentação à busca da Poesia. Só quem lê muito e persevera na criação chega a ter intimidade com a eterna arte da palavra, em seu vestido de festa.



















*Joaquim Moncks - poeta gaúcho, ativista cultural, acadêmico de várias entidades no Brasil e grande estudioso da arte poética.


Nenhum comentário: